No Brasil Se Chama Futebol Galático

14 Apr 2019 12:16
Tags

Back to list of posts

<h1>Seu Super-her&oacute;i Favorito &eacute; Desenhado Por Um Brasileiro</h1>

<p>Jos&eacute; Edilbenes de Bezerra, morador de Grande Santo, no interior do Cear&aacute;, levanta &agrave;s seis da manh&atilde;. Ele lava o rosto, come alguma coisa, fornece uma volta na cidade de dezesseis mil habitantes e logo come&ccedil;a a trabalhar. A jornada &eacute; longa. Nos dias mais pesados, ultrapassa 12h - n&atilde;o que empenho seja novidade: seus empregos anteriores foram de ajudante de pedreiro e de servente.</p>

<p>Tarde da noite, quando termina a labuta, Jos&eacute; mostra o trabalho para o chefe, que o chama por um nome desigual: Ed Benes. Quem &eacute; f&atilde; de quadrinhos neste momento matou a charada. Ed &eacute; um dos caras mais importantes do epis&oacute;dio mundial de HQs. O servi&ccedil;o retratado por aqui &eacute; de dezembro de 2006: a primeira edi&ccedil;&atilde;o dele como desenhista principal da Liga da Justi&ccedil;a, que, naquele ano, tornou-se o gibi regular (excluindo miniss&eacute;ries e especiais) mais vendido nos EUA.</p>

<ol>

<li>Video:Chapec&oacute; sem rodeios (1)</li>

<li>3&ordm; PASSO: CONTORNAR Seu CROQUI</li>

<li>V&iacute;deo:De gotinha em gotinha — DVD &quot;Vem dan&ccedil;ar conosco&quot; (1)</li>

<li>trinta at&eacute; 2h</li>

<li>14&ordm; Ambiente: Clint Eastwood - Gorillaz</li>

<li>28% equipar as salas de aula</li>

<li>onze de maio - Estreia da s&eacute;rie de televis&atilde;o australiana, Galera do Surf</li>

</ol>

<p>Nas m&atilde;os de um cearense trabalhando a 6.Trezentos km de Nova York (e 246 km de Fortaleza), a DC Comics fazia com que, semanalmente, mais de 135 mil revistinhas desaparecessem das bancas. Santa Grande Santo, Batman! A hist&oacute;ria de Ed n&atilde;o &eacute; &uacute;nica. O Brasil &eacute; um polo pela realiza&ccedil;&atilde;o art&iacute;stica de hist&oacute;rias em quadrinhos.</p>

<p>E, do mesmo jeito que o artista cearense, a maioria deles n&atilde;o sai do Na&ccedil;&atilde;o pra trabalhar. Dentre as 5 HQs mais vendidas em 2017 nos EUA, duas t&ecirc;m assinatura brasileira. 960 1 mil pra Marvel. As editoras, ali&aacute;s, t&ecirc;m um qu&ecirc; futebol&iacute;stico no recrutamento de novos talentos no Brasil. Do mesmo modo Pel&eacute; nasceu no interior de Minas Gerais e foi descoberto no interior de S&atilde;o Paulo, inmensur&aacute;veis craques brasileiros das HQs est&atilde;o remoto das maiores metr&oacute;poles.</p>

<p> A Solu&ccedil;&atilde;o Para Impedir A dificuldade . O desenhista &eacute; nos dias de hoje um dos principais nomes da Marvel. 600 milh&otilde;es. Deodato mora em Jo&atilde;o Pessoa, trabalhando remotamente pros quadrinhos americanos h&aacute; vinte e tr&ecirc;s anos. “Em 1994 consegui um teste para fazer a Mulher Maravilha. Foi meu primeiro vasto trabalho nos Estados unidos. Aprenda A Fazer Desenhos 3D Sem Ter Nenhum Entendimento Pr&eacute;vio , no entanto n&atilde;o foi ela que inaugurou o trabalho remoto. Os brasileiros pintaram pela ind&uacute;stria americana h&aacute; quase 30 anos.</p>

<p>Os esbo&ccedil;os de um Brasil exportador de quadrinistas foram tra&ccedil;ados no come&ccedil;o dos anos 1970. Foi quando a Editora Abril, que publica a SUPER, trouxe os quadrinhos da Marvel para c&aacute;. “Precisavam de uma pessoa que entendesse de super-her&oacute;is e me contrataram para organizar as hist&oacute;rias, p&ocirc;r na ordem certa, sincronizar as apari&ccedil;&otilde;es de um protagonista pela hist&oacute;ria de outro. Esse tipo de coisa.</p>

<p>Foi quando surgiu a ideia de fornecer, por aqui mesmo, pequenas hist&oacute;rias”, confessa Helcio de Carvalho, que hoje &eacute; respons&aacute;vel pela editora de quadrinhos Mythos. Por Dentro Do TED era matem&aacute;tica. Como o modelo das HQs americanas era distinto, os gibis gringos tinham menos p&aacute;ginas do que o layout brasileiro. Desse modo a toda a hora ficavam faltando de oito a dez p&aacute;ginas para serem preenchidas. Uma elabora&ccedil;&atilde;o nacional supriria essa demanda e, de quebra, daria oportunidades para artistas tupiniquins. A Marvel n&atilde;o topou.</p>

40d066a3cf8ab21c7d20dca5785ae473--manga-boy-anime-boys.jpg

<p>“Me irritava ter tantos talentos que s&oacute; tinham chance pra fazer quadrinhos er&oacute;ticos. Era o &uacute;nico mercado poss&iacute;vel por aqui”, conta Helcio. O tempo passou e Helcio, por isso, acabou criando uma empresa feita sobretudo para bater &agrave;s portas americanas com o servi&ccedil;o dos brasileiros, a Art&amp;Comics. “Come&ccedil;amos um trabalho de formiguinha.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License